Significado de RGB

Você sabe o que é RGB e o seu significado? Trata-se de um sistema de cores muito comum, usado em diversos aparelhos do dia a dia moderno. Conheça aqui tudo sobre este tema, inclusive as curiosidades e diferenças dos outros sistemas de cores.

RGB é a sigla do sistema de cores aditivas mais conhecido. Formado pelas cores vermelho (Red), Verde (Green) e Azul (Blue), o sistema as combina para produzir uma imensa gama de outras cores. Seu funcionamento é aplicado em dispositivos eletrônicos como telas de TV, computador e celular.

Por isso, se você enxerga cores nas suas telas de aparelhos eletrônicos, isso só é possível graças a este sistema. Além das telas, o RGB funciona para outros dispositivos eletrônicos, como retroprojetores, scanners, câmeras digitais e até mesmo na fotografia tradicional.

Pode ser um pouco complicado entender como esse sistema funciona. Você pode se perguntar como apenas 3 cores são capazes de formar as outras cores que todo mundo consegue ver nas telas. Abaixo você confere todas as respostas.

Tabela de cores RGB

Também conhecido como sistema de cor-luz, o RGB funciona através da combinação entre as cores vermelho, verde e azul. Veja abaixo como a combinação de cores atua em forma de tabela.

Esquema RGB
RGB é a sigla para Red (Vermelho), Green (Verde) e Blue (Azul) (Foto: depositphotos)

Como você pode ver, as cores são obtidas através da combinação das três cores primárias. Para isso, é preciso identificar vários níveis de mistura e, claro, entender que as quantidades são determinadas para gerar as mais diversas cores e tons.

Pode se dizer que é um sistema muito funcional, uma vez que até hoje é usado em telas digitais e aparelhos em todo o mundo. Ainda não houve um sistema de cores que supere o RGB em quesito eletrônico. Mesmo com os avanços tecnológicos, ainda é o sistema predominante para trabalhar com as cores.

Como funciona o sistema RGB?

O modelo de cores RGB é aditivo, ou seja, ele adiciona uma cor à outra para gerar novas cores no espectro. É considerado o oposto do sistema CMYK, da cor-pigmento, onde o processo é de subtração, e não adição das cores/pigmentos usados.

As cores desse sistema se formam através da mistura das três cores primárias em questão (vermelho, verde e azul). Em determinadas quantidades, cada cor é enquadrada em uma escala que vai de 0 a 255.

Estas quantidades e as combinações delas são imprescindíveis para definir o nível das cores. Dessa forma, quando as três cores RGB estão no valor mínimo da escala (0, 0, 0), o resultado é a cor preta. Quando estão no valor máximo (255, 255, 255), o resultado é a cor branca.

Um fato curioso sobre esse sistema é que ele não produz as cores exatas, mas um resultado parecido para a percepção do olho humano. Porque ele não define o que é vermelho, verde e azul. Espectroscopicamente, o sistema não entende suas cores como a ciência entende.

Por isso, quando você vê uma cor na TV, você enxerga algo muito parecido àquela cor e não a cor exata como quando você vê numa tinta da mesma cor. Outro fator que influencia isso é a luz, um dos fundamentos do sistema RGB na tecnologia.

Quando surgiu este sistema?

O RGB surgiu quando a ciência e tecnologia começaram os primeiros experimentos para tentar reproduzir cores em telas e displays. Vale lembrar que a câmera fotográfica, de vídeo, TV e até mesmo o computador já existiam, mas com telas que não reproduziam cores ou apenas uma cor.

É um modelo baseado na teoria de visão colorida tricromática (três cores). Essa teoria é de autoria do cientista alemão Young-Helmholtz. Mas só funcionou em conjunto com a teoria do triângulo de cores de Maxwell.

Em termos técnicos, trata-se de um modelo aditivo cromático. Esses tipos de processos de cor só foram possíveis graças ao desenvolvimento tecnológico dos tubos de raios catódicos. Estes tubos são muito importantes. Eles que constituem o display de cores ao invés de uma fosforescência.

Em 1953, foram descobertos e entendidos os primeiros padrões de cores das televisões do tipo RCA. Mais em frente, o uso do padrão RGB foi possível nas câmeras Land/Polaroid, pós Edwin Land. Foi um grande avanço em relação ao uso das cores na tecnologia.

Por fim, os padrões de cores funcionaram nas TVs, o que abriu caminho para as televisões a cores. O mesmo sistema logo foi empregado na produção das telas e displays de computadores.

RGB e CMYK: Entenda a diferença

CMYK é a sigla do sistema de cores utilizado na indústria gráfica. Representa as cores Cyan (ciano), Magenta (magenta), Yellow (amarelo) e Black (preto). Trata-se de um sistema de pigmentos para impressão e reprodução de cores.

Enquanto RGB é cor-luz, aplicado à telas e displays, CMYK é cor-pigmento. Ou seja, é tinta, se formos pensar de forma superficial. O segundo sistema, respectivamente, serve para impressões, cópias, fotocópias e produções do tipo.

Além da função, os sistemas são bem diferentes na funcionalidade. Enquanto o RGB atua por adição das cores, o CMYK atua por subtração da luz em relação às cores.

Por fim, e para resumir, o sistema CMYK é utilizado para reproduzir cores em superfícies, não em telas como o RGB.

O que é RGBA

RGBA é um termo e não um modelo de cores. Ele se refere a uso da transparência na tabela RGB de cores. A letra “A” significa “Alpha” (nome usado para definir o transparente). É um termo usado em situações bem específicas.

Por exemplo, se usa RGBA quando nos referimos a representação de cores de origem satélica. Isso mesmo, do satélite que está lá no espaço. O Alpha representa o efeito da turbidez, fenômeno causado pela atmosfera que faz as cores padrões parecerem mais opacas.

O que é cabo RGB

Por último, vamos falar sobre o cabo RGB. É um cabo muito familiar para pessoas que tiveram  videocassetes, aparelhos de DVD e computador desktop (de mesa) nos últimos anos. Tem como principal característica os seus conectores de cores diferentes.

Cabos RGB
É um cabo de transmissão de imagem e som usado em alguns dispositivos (Foto: depositphotos)

Como cada cabo colorido se utiliza de um sinal diferente, a lógica tecnológica foi de que cada um tivesse uma cor. Por isso, pensaram no sistema RGB, onde cada letra representa uma cor. Por isso, o cabo tem esse nome.

É um cabo de transmissão de imagem e som usado em alguns dispositivos. Possui qualidade bem melhor do que o VGA, seu principal e antecessor concorrente. Contudo, ambos são analógicos e hoje já existem processos digitais muito superiores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *