Quimera: o que é, significado e conceito

Quimera é um termo com vários significados. O mais conhecido deles se refere a um ser místico, uma fera lendária da mitologia grega. É também uma espécie de peixe e até mesmo um fenômeno genético. Descubra aqui todos os significados deste termo.

Você provavelmente está procurando o significado de quimera enquanto criatura lendária. Isso faz todo o sentido, uma vez que é por causa disso que o nome “quimera” é famoso. Trata-se de um animal muito presente em livros de fantasia e filmes.

Também é uma palavra bastante comum nos estudos e representações de alquimia. Isso acontece devido ao fato de que se atribui a estes estudiosos as tentativas (reais ou não) de tentar “reproduzir” esta criatura.

Veja abaixo tudo sobre as quimeras, seja o mito, o peixe ou o fenômeno genético.

Quimera: a criatura mitológica

De acordo com a mitologia grega, Quimera (ou Chimera) é o nome da criatura mitológica que possui um corpo híbrido de leão, cabra e dragão. Trata-se de um ser monstruoso que possui a habilidade incomum de cuspir fogo.

Quimera da mitologia
A quimera possui um corpo híbrido de leão, cabra e serpente (Foto: depositphotos)

A lenda diz que essa criatura vivia na Lícia, nas região da Ásia Menor. Geralmente era descrita como um leão, com as cabeças de uma cabra e de um dragão anexadas ao corpo. Algumas versões da lenda também citam que sua cauda era uma serpente.

Há também gravuras que representam a quimera com asas de dragão. Em esculturas antigas, principalmente em estruturas europeias, o animal é representado tendo asas de penas gigantes, parecidas com as asas dos grifos.

Na classificação de popularidade das criaturas místicas, a quimera está ao lado de monstros como o Cerberus e a Hydra.

Origem da lenda

Os primeiros registros de itens, gravuras e textos que falam sobre a quimera datam do século VII a.C. A grande maioria desses artefatos é de origem grega, tida apenas como um mito na maioria dos registros.

De acordo com a versão mais difundida do mito, a quimera é uma fera nascida do cruzamento de outros seres mitológicos. Os registros do mito indicam que a quimera é o produto da união entre a Equidna (metade mulher, metade serpente) e o grande Tifão.

Há lendas que dizem que a quimera é filha de Hidra de Lerna e do leão de Nemeia, ambos mortos pelo herói Hércules. Teria sido criada pelo rei da Cária e, quando adulta, aterrorizado o próprio reino e o reino de Lícia.

Algumas das histórias dizem que o monstro só parou sua destruição quando foi morto pelo herói Belerofonte. Este, por sua vez, estava montado em seu cavalo alado Pégaso. Só com a ajuda desta outra criatura ele teria conseguido derrotar a quimera.

Simbologia

A mitologia e crença popular afirmavam que avistar uma quimera é um presságio de um desastre ou tragédia. O misticismo sobre essa criatura cresceu o suficiente para que muitos cristãos na Idade Média temessem avistar a criatura como um sinal demoníaco.

Sempre descrita como um monstro, a quimera raramente é descrita como uma criatura dócil. Pelo contrário, é tida como um animal muito feroz e assassino.

Relação com a alquimia

A alquimia é o nome da ciência da Idade Média. Combina elementos da física, medicina, arte, espiritualismo, arte, química, astrologia, filosofia, metalurgia, matemática e outros saberes. Também há registros da quimera relacionados a alquimia.

Neste contexto, quimera é a criatura que resulta entre o cruzamento de um animal e um humano. Não no sentido biológico ou sexual, mas no sentido da transmutação. Há também versões que indicam que dois ou mais animais transmutados em um também produzem quimera.

A Europa foi o maior berço da Alquimia. Por isso, os museus dessa ciência possuem registros das tentativas dos alquimistas em produzir uma quimera. Inclusive, relatos textuais de pessoas que foram mortas ao serem submetidas à força nesta experiência.

A bíblia fala sobre a Quimera?

Estudiosos fazem relação entre o mito da quimera e a história de São Jorge. E se parar de pensar, faz muito sentido! Vamos às principais teorias e embasamentos.

Em primeiro lugar, é preciso entender que o auge do poder da Igreja Católica foi na Idade Média. Neste período, um dos trabalhos mais árduos da Igreja foi espalhar o Cristianismo e difundir a religião como a verdade absoluta.

Durante esse processo, houve a expansão do conhecimento de que os dragões não existem. Assim, a lenda da quimera perdeu força e passou a ser vista somente como mitologia, se distanciando cada vez mais da realidade no pensamento do povo.

Mas, como é muito difícil uma informação ou história desaparecer por completo, ainda se falava da quimera. De acordo com os estudiosos do folclore greco-romano, a Igreja substituiu (canonizou) o conto de Belerofonte matando a quimera pela crença de São Jorge matando o dragão.

Inclusive, a figura de São Jorge é representada em textos e gravuras em cima de um cavalo branco, que originalmente seria o Pégaso de Belerofonte. O dragão também, muitas vezes é representado com traços parecidos com o da original quimera.

Dessa forma, a Igreja difundiu a sua versão da lenda e mudou o foco da mitologia para o cristianismo. Mas não se surpreenda com essa fato “criado” relacionado a religião cristã. Esta prática era comum nos primórdios da Igreja e na Idade Média.

O ato de cristianizar elementos mitológicos relacionados ao paganismo era comum para atrair as pessoas para a religião católica. A quimera (dragão) passou a simbolizar o mal, a morte e a mentira. São Jorge ganhou o título de padroeiro da Inglaterra após isso.

Obras que ilustram quimeras

Como acontece com quase todos mitos, folclores e lendas, a quimera é muito ilustrada em livros, filmes, séries e animações. Contudo, a criatura é descrita ou mostrada de várias formas, além da original.

Veja abaixo algumas obras famosas que citam, descrevem ou mostram quimeras:

  • Anime “FullMetal Alchemist”: A animação japonesa retrata fantasiosamente as quimeras de 2 formas. A primeira como um leão combinado com alguma espécie de réptil. A segunda representação é como uma lamentável experiência de transmutação entre uma criança e um cachorro.
  • Harry Potter: A série de livros cita as quimeras como criaturas raras e bastante selvagens. Os trechos que citam estes animais estão no 5º e 7º livros da série, assim como no livro “Animais Fantásticos e onde Habitam”.
  • Filme “Fúria de Titãs 2”: A quimera é representada como um monstro multiforme de 2 cabeças que, juntas, cospem fogo. Sua cauda é uma serpente e possui grandes asas. No longa metragem, trata-se de uma criatura feroz e perigosa.

O que significa sonhar com esse ser?

Sonhar com esta criatura não representa algo bom. A quimera é uma criatura mitológica que não simboliza o bem ou sentimentos positivos. Muito pelo contrário. Desde a Idade Média, a lenda diz que cruzar com uma quimera (mesmo em sonho) é um presságio de desastre e tragédia.

Mas mantenha a calma, isso não quer dizer que algo ruim vai acontecer com você. Na hipótese mais leve, pode simbolizar que você luta por um objetivo muito difícil, que infelizmente tem poucas chances de se realizar. Pode ser um momento de rever suas prioridades.

Na pior das hipóteses, este é um sonho que simboliza que você deve redobrar a atenção. Algo ou alguém ruim pode surgir na sua vida. Por isso, esteja preparado(a).

Peixe Quimera

Peixe Quimera
Esse animal é incomum pois vive nas profundezes dos oceanos (Foto: depositphotos)

O termo “quimera” também dá nome a um peixe cartilaginoso que pode ser encontrado nas profundezas de todos os mares. O animal faz parte dos Chimaeriformes, única ordem da subclasse Holocephali. Por isso, é um animal incomum, não tão fácil de encontrar.

São relacionados com outros animais marítimos como tubarões e raias, o que garante sua sobrevivência em muitos casos. Estima-se que existam pelo menos 30 espécies vivas, todas marinhas.

Fenômeno Quimera: Entenda essa genética rara

A palavra “quimera” também dá nome a um fenômeno genético raro. Em resumo, é quando um animal ou ser humano possui 2 ou mais populações de células geneticamente diferentes, com origem em zigotos distintos.

É muito raro em seres humanos, tendo apenas 40 casos registrados até hoje. Quando acontece em humanos, o fenômeno é conhecido também como quimera tetragamética.

É um evento tão raro que até mesmo o exemplo mais simples é difícil de entender. Mas, para você ter uma ideia, a forma mais fácil de nascer um humano com quimera tetragamética é quando a mulher engravida de gêmeos não idênticos que se unem em um só, de forma perfeita, ainda na fase embrionária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *