Bug: o que é, significado e conceito

A palavra “bug” deriva de um termo da informática que significa erro ou falha. É um termo de origem inglesa, que significa “inseto” e se pronuncia “bâg”. Contudo, mesmo pronunciando com o “u” (“bug”), o sentido é igual e todo mundo vai entender sobre o que você está falando.

É uma gíria comum na internet, que já não se refere apenas a termos de informática, mas da vida em geral. Você já deve ter ouvido alguém falar frases como “isso bugou” ou “eu buguei com essa explicação”.

Esse termo pode aparecer em vários contextos, dentro e fora das redes sociais. Entretanto, foi o avanço da indústria de informática (principais os jogos virtuais e online) que provocou a popularidade desse termo.

É muito usado quando algum jogo ou programa de computador se comporta de modo inesperado ou errado. Quando isso acontece, é comum dizer que isso é um bug do jogo/programa.

Da mesma forma, pode ser usado para se referir a alguma pessoa que não entendeu algo complicado ou teve dificuldade. “Fulano bugou quando tentei explicar matemática”, por exemplo.

Origem da palavra

A história diz que quem criou esse termo foi o famoso inventor Thomas Edison, em meados de 1787, que reclamava dos insetos que entravam em seu fonógrafo (o mais antigo aparelho de gravação e reprodução de sons).

Erro 404
A palavra inglesa “bug” traduzida para o português quer dizer “inseto” (Foto: depositphotos)

Segundo os pesquisadores, os pequenos bichinhos danificavam as placas internas do aparelho de Edison. Com o desenvolvimento da informática, os insetos continuavam a entrar nas CPUs dos computadores e causar problemas.

Contudo, o termo passou de referência de hardware (problema físico com insetos) para uma referência de software (programas e sistemas). Por isso, se começou a usar o termo “isso é um bug” mesmo quando não há insetos invadindo os aparelhos tecnológicos.

O que é bug: De acordo com o dicionário

Nos dicionários de inglês atualizados, você vai encontrar o significado de “bug” como inseto (tradução simples) ou erro de linguagem de computadores, programas e sites.

A palavra “bug” também já está presente na maioria dos dicionários de português mais atualizados. Neles, o termo recebe uma definição bem parecida em todo, algo mais ou menos assim:

“Quando a linguagem do computador entra em conflito ou está fora de sincronia. Isto provoca impossibilidade de continuar a execução do programa ou apresenta reações inesperadas. Sinônimo: erro, falha, problema.”

Apesar de parecer simples, os bugs representam uma enorme ameaça no mundo virtual e tecnológico. Uma vez que programas estão relacionados a segurança, privacidade ou processos bancários, um erro em programas para causar sérios problemas e prejuízos.

Desse modo, muitos hackers se utilizam de bugs de programas para cometer crimes virtuais, como pirataria, roubos e falsidade ideológica.

O que foi o “Bug do Milênio”?

O “Bug do Milênio” (também chamado de Bug 2YK) foi um acontecimento que marcou a informática e o mundo no final do século XX. Começou como um simples problema tecnológico da época e se tornou uma preocupação mundial na última década do século em questão (1990 a 1999).

Primeiramente, tudo teve início com a proximidade do novo milênio e o ano 2000, que trazia um novo formato de data, finalizada com 00 do número 2000. Contudo, devido a limitações de memória dos computadores da época, começou-se a sentir medo de que os programas fossem interpretar o novo “00” como o ano “1900” ao invés de “2000”.

Caso isso acontecesse, seria um enorme desastre. Os bancos iriam ter suas aplicações de juros viradas para o negativo se o “tempo voltasse ao passado” em seus programas. Investidores iam perder seus lucros de investimento e empresas iam falir graças ao desequilíbrio das datas das finanças.

O medo foi tanto que muitas famílias americanas chegaram a estocar comida em casa em 1999, com medo da economia desestabilizar com a entrada do novo milênio devido ao bug.

Apesar da crise de pânico na década de 90, teve início uma corrida para atualizar os programas e recursos de informáticas de todas as empresas preocupadas com esse risco e instituições importantes.

Antigos programadores aposentados foram recontratados, fizeram testes e resolveram o problema com um pouco de investimento por parte dos empregadores.

Por fim, a crise do “Bug do Milênio” não teve muito impacto na economia dos EUA ou de outros países. Acabou sendo um acontecimento considerado inofensivo. Contudo, mesmo tão longe do próximo milênio, os computadores e programas já são feitos com os cuidados necessários para que isso não se repita.

Página da internet com erro
Bug é um termo muito usado quando um programa se comporta de modo inesperado (Foto: depositphotos)

Frases comuns e seus significados

Agora veja algumas formas de usar a palavras e expressões relacionadas ao termo “bug”. São exemplos práticos de aplicações em frases e como entendê-las perfeitamente. Confira.

  • O jogo que eu estava jogando bugou e eu não pude terminá-lo”. Significa que o jogo apresentou um erro.
  • O aplicativo do meu celular está cheios de bugs”. Quer dizer que o aplicativo está cheio de falhas, o que impede o seu bom desempenho ou mesmo uso.
  • Eu buguei com a explicação do professor”. Significa “eu não entendi a explicação do professor”.
  • Tenho que chamar um técnico em informática porque o meu computador está todo bugado”. Quer dizer que o computador está com defeitos no software, apresentando problemas.

Significado do meme “Bug na Matrix”

Você já viu o filme Matrix? O longa-metragem de 1999 é o primeiro filme de uma trilogia roteirizada dirigida pelas irmãs Wachowski. Nele, o protagonista Neo, um programador de computador, descobre que o mundo em que vivemos é na verdade um grande programa de realidade virtual chamado Matrix.

Enquanto isso, os humanos vivem aprisionados em bolhas, cheios de fios conectados no cérebro e corpo. Dominados pelas máquinas superinteligentes que eles mesmo criaram no passado.

Na trama, alguns humanos conseguem fugir do programa e começam a viver e lutar contra as máquinas no mundo real, um local pós-apocalíptico sem luz, sem vida e todo mecânico. Eles começam também entrar na Matrix, para combater o programa por dentro.

O que é o “Bug na Matrix”

No segundo filme da franquia, os personagens percebem que a Matrix também tem bugs e falhas, assim como todo programa de computador. E os humanos que percebem esses bugs são eliminados pelos agentes da Matrix, homens virtuais super fortes que usam terno preto e óculos escuros.

Isso acabou virando um meme na internet, com o acesso às redes sociais e o compartilhamento de mídias. Quando alguém filma ou presencia algo inexplicável na vida real, ela brinca que está dentro da Matrix e que aquilo é um “bug”.

Esse conceito já rendeu muitas risadas em redes sociais como Twitter e Instagram. Por isso, é um termo novo e divertido para você conhecer. Mas cuidado! Se estamos mesmo na Matrix, é melhor correr para bem longe dos agentes!

Greve: o que é, significado e conceito

A palavra greve vem do francês “grève”. É um termo usado para se referir a suspensão ou parada coletiva da prestação de serviços por tempo parcial ou indeterminado, com o objetivo de defender ou conquistar interesses dos trabalhadores ou população.

De forma clara, é quando os trabalhadores interrompem suas atividades a fim de chamar a atenção do empregador ou mesmo do governo. A greve acontece quando o nível de descontentamento coletivo está acima do tolerável.

Geralmente as pessoas entram em greve com o objetivo de cobrar melhores salários, melhores condições de trabalho, mais respeito, chances de crescimento profissional, entre outros motivos.

Há também causas bem específicas, como: exigir a retirada de algum superior ou alertar as autoridades sobre algum tipo de situação ofensiva/criminosa.

Origem da palavra

O termo greve faz referência a Place de Grève, uma praça à margem do Rio Sena em Paris onde desempregados e trabalhadores insatisfeitos com as condições de trabalho se reuniam para discutir seu descontentamento profissional.

Pessoas em greve
A greve é a paralisação das atividades trabalhistas de forma pacífica (Foto: depositphotos)

O local era malvisto pela sociedade. Pois, além de ser um ponto de embarque e desembarque de embarcações, também se executava criminosos na Place de Grève. Mesmo assim, era um local bastante frequentado e conhecido.

Inclusive, havia uma expressão chamada “Faire grève”, que significava “se reunir na Place de Grève”. Hoje, a praça se chama A Place de l’Hôtel-de-Ville. Mesmo assim, grupos ainda se reúnem no local para realizar debates e palestras sobre direitos trabalhistas.

Greve ou protesto: Entenda a diferença

A greve é a paralisação das atividades trabalhistas de forma pacífica. Geralmente é organizada por operários, sindicatos ou sociedade civil, a fim de defender interesses da categoria ou população.

Já o protesto é quando uma categoria ou grupo sai às ruas para manifestar descontentamento, sem necessariamente paralisar suas atividades.

Uma informação importante sobre isso é que as greves podem vir acompanhadas de protestos, mas protestos não precisam de greve para serem realizados.

Por exemplo, eu posso sair com cartazes para protestar contra o péssimo serviço de saúde pública da minha cidade sem precisar paralisar minhas atividades para isso.

Por outro lado, se a minha categoria profissional está em greve, podemos nos unir para realizar protestos com o objetivo de chamar mais atenção para as nossas reivindicações. Deu para entender a diferença?

Vale ressaltar também que a greve pode ser realizada tanto em locais públicos ou mesmo dentro de uma empresa ou instituição. Já o protesto/manifestação só acontece em locais públicos.

Então a greve é pacífica e o protesto não?

Não. Os protestos também são pacíficos, em grande parte. Muitas pessoas associam os protestos ao vandalismo, mas uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Alguns protestos podem atrair pessoas insatisfeitas o suficiente para cometer depredação ou mesmo crimes, mas essa não é a intenção real da maioria dos protesto.

Se um grupo de pessoas sai com cartazes, alto-falantes e exige melhores estradas, por exemplo, isso é um protesto. Não precisa ter nada destruído e depredado ao fim.

Contudo, muitos grupos e populações (geralmente os mais necessitados e periféricos) entendem o vandalismo como uma forma de chamar a atenção das autoridades ou do empregador, que os ignora explicitamente na maioria do tempo.

Vale ressaltar que o vandalismo é considerado crime no Brasil, assim como a depredação do patrimônio público e privado.

E manifestação? O que é?

Manifestação é a mesma coisa que protesto. Contudo, a manifestação é observada por alguns estudiosos como uma opção mais formal de definir o ato de reivindicar ou defender interesses.

Por exemplo, em grande parte dos documentos e registros oficiais, os protestos são chamados de manifestação.

Há também uma vantagem do uso da palavra “manifestação”, porque quem participa desse evento é chamado de “manifestante”. Não se deve usar “protestante” para se referir às pessoas em um protesto, pois esse termo já se refere a um contexto religioso do Protestantismo.

A greve é um direito trabalhista?

Sim, em muitos países, incluindo o Brasil, a greve é considerada um direito social e trabalhista. Contudo, existem algumas regras e condições previstas pela Justiça do Trabalho brasileira.

O trabalhador pode entrar em greve e protestar se entender que algum direito seu está sendo negado parcialmente ou totalmente. Isto é, quando existe uma lógica trabalhista por trás da manifestação.

Nas Constituição Federal de 1988, a greve é definida como um direito de todos os cidadãos. Veja os trechos do artigo 9º:

Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender.

A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e disporá sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.

Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às penas da lei.

O segundo parágrafo deixa claro que, se alguém praticar vandalismo ou crimes, por exemplo, durante uma greve, sofrerá punição legislativa ainda que a greve seja um direito social.

O que significa “estado de greve”?

“Estado de greve” é a definição que significa um alerta de possível greve. Ele é usado pela mídia e trabalhadores para informar que a suspensão das atividades é uma possibilidade.

Vou te mostrar um exemplo! Se você ver ou ouvir em jornais e noticiários a seguinte expressão “os trabalhadores da rede pública de transporte anunciaram estado de greve”, isso significa que eles podem entrar em greve se seus interesses não forem levados em consideração.

O que foi a Greve dos Caminhoneiros?

A Greve dos Caminhoneiros, também chamada de Greve do Diesel, foi um acontecimento histórico ocorrido no Brasil em 2018. Nele, caminhoneiros autônomos adeptos a sindicatos, confederações e interesses da categoria suspenderam suas atividades e fecharam as rodovias para que caminhões não pudessem transitar.

Os grevistas tinham como objetivo alcançar mais direitos para a categoria e reclamar dos ajustes de preços dos combustíveis reajustados constantemente pela Petrobras. Em especial, eles reclamavam do preço do diesel, pediam o fim da cobrança do pedágio por eixo suspenso e pelo fim da taxa de PIS/Cofins sobre o óleo diesel.

A paralisação e bloqueios nas rodovias foram registrados em 24 estados brasileiros e no Distrito Federal. O evento causou falta de combustíveis, alimentos e remédios em várias regiões do país. A greve afetou também os aeroportos, escolas, transporte público e vários setores da rotina urbana e rural.

Cidades importantes para a economia do país como São Paulo e Porto Alegre chegaram a decretar estado de emergência, devido a falta de alimentos, combustíveis e remédios. Algumas cidades também chegaram a decretar estado de calamidade pública.

A greve começou no dia 21 de maio de 2018 e teve fim entre os dias 28 e 30 do mesmo mês, quando o Governo Federal publicou através do Diário Oficial da União três medidas provisórias atendendo as exigências dos caminhoneiros.

Placa com nome greve
Uma das mais recentes greves no Brasil foi a greve dos caminhoneiros (Foto: depositphotos)

Tipos de greve

Existem várias formas de realização de greves. Algumas possuem particularidades e durações bem específicas, dependendo do objetivo que pretende alcançar. Conheça os tipos de greve:

  • Greve geral: É a maior forma de greve. É caracterizada como o tipo que une uma classe completa ou todas elas de um país. É quando a maioria dos trabalhadores de uma categoria suspendem as atividades.
  • Greve branca: Também conhecido como “Greve de braços cruzados”, é a greve simples. Quando empregados interrompem suas atividades em seus postos de trabalho.
  • Greve de advertência: É na verdade um paralisação temporária para alertar ao empregador que uma possível greve pode acontecer. Acontece como uma maneira de chamar atenção para os interesses ou reclamações da categoria.
  • Greve solidária: É quando uma categoria suspende suas atividades para se unir a outra categoria que está em greve. É uma forma de ajudar a conquistar interesses mútuos.
  • Greve de zelo: Não é uma greve realmente, trata-se mais de uma manifestação. É quando os trabalhadores ironizam suas próprias atividades, trabalhando com tanto zelo nos detalhes que atrasam toda a produção, causando prejuízo ao empregador.
  • Greve tartaruga: Também é mais uma forma de manifestação do que greve. Pode ser chamada de “greve de braços lentos/caídos”. É quando os trabalhos realizam o trabalho muito lentamente, causando queda brusca na produção.
  • Greve de ocupação: Nessa forma de greve, os trabalhadores ocupam seu local de trabalho de maneira indevida e total, com o objetivo de não permitir que ninguém mais trabalhe.
  • Greve seletiva: Quando há a paralisação das atividades de um setor fundamental para o funcionamento correto dos demais setores.
  • Greve intermitente: Ocorre quando todo dia um setor diferente paralisa suas atividades, desregulando a produção e causando prejuízos ao empregador.
  • Greve ativa: Esse é um tipo bem incomum e há poucos registros na história. É quando os trabalhadores trabalham mais rápido e aumentam muito o estoque, gerando alta oferta e diminuição da demanda. Isso faz cair o preço do produto, desperdício e prejudica o empregador. Contudo, existem poucos registros de eficiência deste tipo de greve.

O que é greve de fome?

A greve de fome é uma forma de protesto pacífico não-violento na qual uma pessoa, grupo ou classe cessa sua alimentação voluntariamente a fim de manifestar seu descontentamento. Normalmente tem relação com a política e o governo.

Geralmente acontece em local público, onde as pessoas se reúnem e permanecem em jejum. Além disso, pessoas em estado de greve de fome não consomem apenas alimentos sólidos, mas ingerem líquidos.

É uma medida considerada extrema e muitas autoridades pelo mundo já chegaram a forçar a alimentação de grevistas através de sondas para que eles não morressem durante o jejum.

Por fim, a greve de fome gera um dilema social sempre que acontece em algum lugar do planeta. Pois a sociedade cria expectativa sobre as decisões que serão tomadas em relação aos grevistas. Se os mesmo serão atendidos ou ignorados até sofrerem prejuízos à saúde ou mesmo morrerem.

Significado de seminário

Você conhece o significado de seminário? Esse é um termo muito usado e ouvido durante a vida estudantil, profissional e até mesmo religiosa. Neste artigo você conhecerá todos os tipos de seminários e os seus significados.

Seminário é uma prática didática que consiste em reunir um grupo de pessoas para que um ou mais especialistas possam divulgar e compartilhar conhecimentos. Além disso, pode servir para instigar a curiosidade e debate sobre algum tema.

Trata-se de uma proposta da metodologia tradicional de ensino. Ou seja, caracteriza-se pela atenção de todos focada em uma figura única a frente deste público. O silêncio deve existir e o debate e perguntas só são permitidos se houver autorização.

Seminário também é nome dado a instituição da Igreja Católica que ensina, treina e forma os candidatos a membros do ministérios eclesiástico. Ou seja, é onde se formam os futuros líderes e servidores religiosos da Instituição Católica.

O que é seminário

Seminário é uma palavra que vem do latim seminarius. Quer dizer encontro ou reunião didática em que um especialista ou estudioso usa um espaço de fala para divulgar e compartilhar seus conhecimentos sobre algum tema.

Plateia durante seminário
É em um seminário que um especialista ou estudioso compartilha seus conhecimentos (Foto: depositphotos)

Portanto, trata-se de uma reunião especializada que pode ser de contexto técnico, profissional, social e acadêmico. Em alguns aspectos, menos técnicos, pode também abordar temas como religiões e filosofias.

Quando alguém fala “irei a um seminário de astronomia”, este alguém está dizendo que participará de um evento onde um especialista ou estudioso compartilhará seus conhecimentos sobre estrelas, planetas, galáxias, etc. Isto em forma de apresentação didática.

Contudo, em um seminário especializado pode haver mais de uma apresentação, com mais de um especialista. Também pode existir na forma de apresentação compartilhada ou mesmo um apresentador e seus assistentes.

Origem do termo

Como já citado, a palavra vem do latim “seminarius” ou “seminarium”, que são palavras que derivam de “semen” que quer dizer planta. A ideia é de que o termo remete a “local ou situação onde são plantadas as informações e ideias”.

Uma curiosidade sobre o termo é que a palavra em latim “semen” também deu origem a outras várias palavras, além de seminário. Por exemplo, o fluido reprodutor masculino também é chamado de “sêmen”, pois remete a ideia de ser a semente para o nascimento de uma criança.

Dicas para fazer um bom seminário

Apresentar um seminário pode ser um trabalho bem complicado para muitas pessoas. O nervosismo e despreparo são os maiores inimigos nesse processo. Por isso, separamos algumas dicas e truques para você fazer um bom seminário. Veja:

Organize os conhecimentos

Primeiro, estude sobre o tema proposto. Saiba o que as pessoas falam sobre esse assunto, qual é o debate que o envolve. Procure informações embasadas e sérias, em livros e sites especializados. Não confie em informações de redes sociais ou de amigos.

Imagine que você será a fonte de conhecimento para o público, e há alguma responsabilidade sobre isso. Estude bastante, pois isso aumentará seu conhecimento e confiança.

Trabalhe com tópicos

Em uma folha de papel ou no computador, anote todos os pontos interessantes sobre o assunto proposto. Tente seguir um raciocínio, seja uma sequência histórica, afinidade de temas ou alguma linha que faça sentido.

Isso vale também para quando você for montar o seu material, seja um cartaz ou apresentação em slides. Invista em frases curtas e simples. Jamais coloque parágrafos grandes ou muitas palavras no slide.

Além de poluir visualmente, um slide com muitas palavras é desnecessário porque ninguém vai ler. Todo mundo vai estar prestando atenção em você e é o seu trabalho transmitir esse conhecimento, não o slide. Ele está ali só para te ajudar a não esquecer nada.

Por fim, pense em palavras-chave, que vão te lembrar sobre o assunto que você quer falar. Sempre que você vê a palavra-chave no slide, se lembrará do que precisa falar.

Siga uma sequência clara

Em primeiro lugar, esse é um problema típico dos novatos em seminários. Para que o público entenda o assunto, você precisa seguir uma linha de sentido ou contexto. Ou seja, precisa ter um início, meio e fim.

Por exemplo, se você vai falar sobre a 2ª Guerra Mundial, comece falando sobre quais países começaram a Guerra, os seus motivos, etc. Depois fale como a Guerra se desenvolveu do início até o seu fim.

Se você começar falando, por exemplo, sobre como as bombas atômicas destruíram Hiroshima e Nagasaki no Japão, ninguém vai entender nada! Vão perguntar “quem jogou as bombas?”, “por que fizeram isso?” e “qual o contexto desse ataque?”.

Ensaie a postura e dicção

Se muita gente considera o ensaio uma perda de tempo, por outro lado este é o segredo de bons oradores. Prepare o seu material e discurso dias antes da apresentação e ensaie uma vez por dia até o momento de se apresentar.

Preste atenção na sua postura, tom de voz,  dicção e entrosamento com o assunto. Repetição é um dos segredos da perfeição.

Também fique atento a sua dicção em relação a palavras difíceis. Se elas existem e você tem dificuldade de falá-las corretamente, substitua por termos mais fáceis.

Procure imagens e vídeos que acrescentam

Ninguém fica muito entretido com slides simples e sem graça. Sendo assim, é comum colocar imagens e vídeos em materiais de apresentação de seminário. Contudo, um erro comum é colocar imagens que não acrescentam ao tema.

Por isso, preste atenção nas fotos e vídeos que você escolhe. Eles precisam enriquecer sua fala e posição, e não podem fugir do tema ou levantar perguntas e questões que você não quer responder.

Imagine que sua fala não para quando você mostra uma imagem ou vídeo. Dessa forma, eles precisam estar dizendo exatamente o mesmo que você.

Transpareça confiança

Essa talvez é a dica mais difícil, principalmente para aquelas pessoas que tem receio de serem o centro das atenções ou falar em público. Mas o segredo é estar bem preparado(a)! É só seguir as dicas acima, estudar bastante e pronto!

Você deve entender que você detém o conhecimento sobre aquele assunto. Você montou, ensaiou e organizou tudo. Só você tem a capacidade de compartilhar aquele conhecimento do jeito que você pensou. Por isso, respire fundo e esteja confiante.

Tipos de seminário

Em primeiro lugar, é bom deixar claro que existe muita confusão sobre os tipos e significados de seminário. Isso acontece porque a palavra é usada para definir várias coisas diferentes.

Por exemplo, seminários pode ser uma prática, uma atividade estudantil, um evento acadêmico e um local de formação católica. Isso mesmo! Uma mesma palavra, mas vários significados!

Listamos cada um dos tipos de seminário. Dessa forma, você nunca mais vai se confundir. Confira:

Seminaristas
Seminário dá nome a instituição católica dedicada à formação dos futuros membros (Foto: depositphotos)

Seminário estudantil

O seminário estudantil é uma atividade monitorada por um ou mais professores. Tem o objetivo de colocar o aluno diante da experiência de compartilhar seu conhecimento sobre algum assunto ou tema.

É uma prática que pode ser proposta e aplicada em todos os níveis de ensino, do básico ou superior. Geralmente é caracterizada pelo pedido do professor para que um ou mais alunos estudem sobre um assunto e dividam seu conhecimento com a turma.

É uma atividade muito defendida pelos especialistas em metodologia. Estes acreditam que, se bem gerenciado por um mestre, o seminário provoca as experiências de liderança, discurso e comportamento diante de um público.

Seminário acadêmico

Por outro lado, o seminário acadêmico é um evento de caráter didático com ênfase em estudos, pesquisas e trabalhos acadêmicos. É regido por um ou mais oradores e divide-se em 3 momentos: exposição, discussão e conclusão.

Estas fases, nesta sequência, são importantes para a compreensão sobre o assunto ou tema estudado. Por isso, é muito comum que os seminários façam parte de eventos acadêmicos, como congressos, palestras e reuniões.

Diferente do seminário estudantil, é muito importante que haja o debate sobre o tema apresentado pelos oradores. Nesse caso, a discussão é incentivada, e não deve ser proibida ou menosprezada.

O objetivo desse tipo de evento é acrescentar a discussão sobre um ou mais assuntos dentro do tema proposto, incentivar o aprendizado e desenvolver novos métodos e capacidades de ensino e estudo.

Mas, para participar de um seminário acadêmico, é preciso ser autor de algum produto acadêmico (artigo, monografia, tese, pesquisa, etc).

Seminário religioso

Já o seminário religioso tem 2 significados diferentes. É assim que se chama a apresentação de conhecimentos teológicos e filosóficos de religiões, tal como os outros seminários, mas também é o nome de uma instituição da Igreja Católica.

Enquanto prática, o seminário religioso se assemelha muito ao seminário acadêmico. A diferença é que ao invés de debater estudos da ciências humanas, exatas e sociais, o seminário religioso compartilha conhecimentos sobre religião, fé e filosofia.

Veja abaixo o que é o seminário religioso enquanto instituição da Igreja Católica.

Seminário: Instituição da Igreja Católica

A palavra seminário também dá nome a instituição católica dedicada à formação dos futuros membros do ministério da Igreja. Ou seja, é o centro de ensino e treinamento para padres, bispos e outros cargos de liderança religiosa da Igreja Católica.

De um modo simples, é como se fosse a versão masculina do convento. Um convento educa e forma mulheres para serem freiras, servidoras da Instituição Católica. Já o seminário se dispõe a educar e ensinar os seminaristas, que são os homens que pretendem servir a Igreja como padres e líderes.

O seminário tem como objetivo preparar os seminaristas através do ensino de filosofia, teologia e cultura. Tendem também a trabalhar a educação espiritual, que envolve trabalhos de fé, ética e, algumas vezes, caridade.

Para ser um líder católico, é preciso passar pelo seminário. Por isso, se você conhecer algum padre ou bispo, saberá que eles têm ou tiveram algum envolvimento com as práticas seminaristas. Por isso, foram licenciados a representar a Igreja.

Significado de MOBA

Apesar da popularização, poucas pessoas conhecem o significado de MOBA no Brasil. Para quem não sabe, trata-se de uma sigla para a frase em inglês “Multiplayer Online Battle Arena” e tem relação direta com games de tempo real.

Assim, esse é mais um dos tantos gêneros de jogos eletrônicos, mas que possui características bem específicas. Nesse caso, combinam games de estratégias com situações de ação.

Com esse artigo, você aprender o real significado de MOBA, como se joga e qual a diferença entre esse game e o famoso RPG. Além disso, você pode ficar por dentro dos diferentes jogos que constituem essa modalidade.

Qual é o significado de MOBA?

Como já mencionado anteriormente, MOBA é a sigla para “Multiplayer Online Battle Arena”. Em português isso significa arena online para diversos jogadores.

A tradução literal desse termo corresponde as características desse jogo. Isso porque os games do tipo MOBA são construídos em uma arena de batalha, onde duas equipes duelam entre si.

Homem jogando game no tablet
Moba quer dizer “Multiplayer Online Battle Arena” ou arena online para diversos jogadores (Foto: depositphotos)

Cada uma dessas equipes pode ser constituída por três, quatro ou cinco jogadores. Através de personagens escolhidos, chamados de “hero”, os participantes precisam equilibrar ações de defesa e ataque ao mesmo tempo.

O objetivo central do jogo é destruir a base inimiga, dando assim a vitória à equipe que alcançá-lo. Geralmente, até conseguir esse resultado, a duração da partida fica entre 30 minutos ou 1 hora.

Por fim, ao contrário de outros jogos online, o MOBA não transfere títulos nem itens para seus personagens após o final da partida. Depois de vencer o adversário, a equipe mantem o corpo dos personagens da mesma maneira que iniciou a partida.

Os jogos MOBA se tornaram febre entre os mais jovens. Atualmente, existem competições que premiam as melhores equipes. Em alguns campeonatos mundiais, as premiações são de milhões de dólares.

Qual a diferença de RPG e MOBA?

Assim como o MOBA, o RPG é uma modalidade de jogos online. Nesse caso, a sigla refere-se ao termo em inglês “Role-Playing Game”, que significa jogo de interpretação do personagem.

Ao contrário do MOBA, o RPG não possui um vencedor decretado. Isso porque, o objetivo dessa outra vertente de game é incorporar mesmo o personagem. Nesse sentido, o jogador precisa desempenhar um papel para o seu intérprete dentro do jogo em um cenário fictício.

Outra grande diferença entre esses dois gêneros é com relação ao personagem. Enquanto no MOBA os jogadores não possuem um sistema de nível, no RPG as melhorias de cada personagem o faz subir de estágio.

Com isso, os personagens do Role-Playing Game podem melhorar suas habilidades a cada partida. E como o enredo pode ser inventado pelo jogador, diz-se que esta brincadeira pode estimular a criatividade dos envolvidos.

Mas, tanto o RPG como o MOBA podem incentivar a imaginação. Além disso, são duas atividades que estimulam o raciocínio lógico, pois os jogadores precisam pensar de forma rápida.

Tudo isso sem contar nas contribuições para o relacionamento interpessoal dos envolvidos e a cooperação de grupo. Isso porque ambos os jogos são online e por isso os jogadores estão sempre conectados com os demais.

Exemplos de jogos MOBA

Existem diversos tipos de jogos do gênero MOBA, alguns de sucesso internacional. Um exemplo disso é o League of Legends, conhecido popularmente como LOL.

Mas além do LOL, outros jogos entram nessa categoria, como o Defense of the Ancients (DOTA). A seguir você pode conferir as características de cada um desses e um pouco de suas respectivas histórias no Brasil e no mundo.

League of Legends (LOL)

Criado pela Riot Games, o League of Legends foi o título de estreia da empresa em 2009. Aclamado pelo público, o jogo de PC se tornou o mais jogado no mundo todo. 

Atualmente, existem competições em diversos países e um campeonato mundial por ano. Além de diversão, esse game tornou-se um esporte muito lucrativo.

Para se ter uma ideia, anualmente são gastos mais de 5 milhões de dólares como premiações desses campeonatos. E a maioria dos jogadores são jovens de em média 21 anos.

No Brasil, por exemplo, existem clubes de futebol apostando na criação de times de LOL para competir nacionalmente e se vencer, tentar um mundial. Um exemplo disso é o Flamengo, que já investe nesse esporte online.

Defense of the Ancients (DOTA)

Lançado em 2015, Defense of the Ancients ou simplesmente DOTA é mais um jogo do tipo MOBA. Nesse game, há dois times o Sentinel (representado pelos elfos noturnos) e o Scourge (representado pelos mortos-vivos)Cada um deles pode jogar com até cinco jogadores.

Antes do jogo iniciar, os participantes devem escolher um herói entre os 110 que existem aproximadamente. Cada um desses personagens carrega habilidades únicas e vantagens táticas sobre os demais.

Após a escolha, o jogo começa em um mapa onde há a base de cada uma das equipes. Enquanto o time Scourge possui o Frozen Throne (Trono Congelado), a equipe  Sentinel detém o poder da World Tree (Árvore da Vida).

Assim, o objetivo de cada equipe é construir estratégias para derrubar o trono do oponente. Ao passo em que os elfos noturnos preterem destruir o Trono Congelado, os mortos-vivos querem as ruínas da Árvore da Vida.

Pronto para jogar?

Pronto, agora que você já conhece todos os detalhes sobre o significado do MOBA, está na hora de colocar em prática seus conhecimentos.

Escolha um dos games desse gênero, como o League of Legends (LOL) ou Defense of the Ancients (DOTA) e instale no seu PC. Além de se divertir com os amigos, você pode se tornar um profissional e ganhar muito dinheiro.

Significado de GPS

Você conhece o significado de GPS? Você já deve conhecer aparelhos e sistemas do tipo, mas não sabe para que eles servem exatamente, como usá-los e como surgiram. Aqui você vai descobrir tudo sobre esse sistema de localização famoso que substituiu os antigos mapas!

GPS é a sigla para Global Positioning System, que traduzido para o português quer dizer “Sistema de posicionamento global”. Trata-se de uma tecnologia que permite ver sua localização por satélite, através do sistema de navegação em mapas e rotas. Para isso, precisa ser ou fazer parte de um dispositivo móvel.

É um sistema que, explicado de forma simples, consegue inserir você no mapa de alguma localidade e acompanhar o seu deslocamento. Além disso, eles são conhecidos atualmente por mostrarem as melhores rotas para que você chegue ao seu destino.

Nos aparelhos e sistemas mais atualizados, o serviço é ainda mais completo. Por exemplo, é possível ver trechos de rodovias em reforma, o clima e temperatura em cada local e até mesmo trechos com lombadas e radares de velocidade.

O que é GPS?

GPS é um sistema de navegação. Com ajuda dele, é possível definir a localização do aparelho onde ele funciona em relação ao mapa local. Assim, é possível definir rotas e conseguir chegar ao destino de forma rápida e sem confusão.

GPS dentro de carro
GPS quer dizer Global Positioning System (Sistema de posicionamento global) (Foto: depositphotos)

Primeiramente, foi criado como um sistema de navegação militar, em 1973 nos Estados Unidos. Hoje em dia, existem dois tipos, o americano (o sistema militar citado) e o GLONASS, que é um modelo russo.

Com o desenvolvimento da tecnologia, o sistema antes militar passou a ser disponibilizado para as pessoas. Portanto, isso quer dizer que os Estados Unidos e Rússia cederam o serviço dos satélites no espaço para uso de tecnologias de navegação. Por isso, elas podem ser usadas por qualquer pessoa com um dispositivo GPS.

Atualmente, o sistema GPS funciona usando 24 satélites que flutuam ao redor da Terra. A altitude deles é de aproximadamente 20,200 km do chão. A velocidade de movimento é de quase 11,500 km/h.

Dessa forma, um dispositivo GPS pode ser usado em qualquer lugar do planeta, desde que haja um dispositivo e aparelho receptores e em algum momento tenha acesso à internet (para navegação em tempo real ou download de informações dos mapas e rotas).

Para que serve o GPS?

O GPS é um sistema de navegação que serve para que você entenda onde você está e também qual rota seguir até o seu destino. É um sistema que originalmente pertencia a dispositivos para carros, mas hoje está disponível em outros aparelhos, como celulares, computadores e tablets.

Além disso, os GPS atuais não servem somente para mostrar rotas (sua principal função). Com os sistemas mais atualizados é possível ver localização de estabelecimentos e postos de gasolina, ou até mesmo de outras cidades, estados e países.

Os sistemas atuais também conseguem medir a distância entre um ponto e outro, nos mais diversos modelos de transporte. Por exemplo, você pode ver quantos quilômetros e quanto tempo leva de uma cidade a outra de carro, de bicicleta, de ônibus, etc.

Muitas empresas inclusive usam os recursos do GPS para atrair clientes como informações sobre os seus serviços e contatos. Por exemplo, se você digitar “curso de inglês” em um GPS, com certeza vai encontrar algumas opções no mapa local.

GPS com alerta de radares: Como funciona?

O GPS com alerta de radares já é uma realidade. Ele informa a localização dos radares eletrônicos na rota escolhida. Além disso, muitos deles também mostram qual a velocidade estabelecida dos radares, o que previne os motoristas de serem multados, além de contribuem com as leis de trânsito.

É muito importante lembrar que mostrar a localização dos radares é permitido por lei. Por outro lado, mostrar ou informar a localização de blitz e polícias rodoviárias é crime!

É preciso ter acesso a internet?

Na maioria dos sistemas, plataformas e dispositivos sim. Entretanto, há como armazenar mapas e rotas através da função offline. Contudo, para armazenar esses dados é necessário ter acesso a internet pelo menos uma vez, para o download de dados e atualizações.

Boa parte dos GPS de carro (o dispositivo em si) não usa de internet, por isso, a função offline é muito importante. Nos GPS`s mais completos, o sistema utiliza da própria tecnologia do carro para a navegação, podendo assim não se utilizar do serviço dos satélites nos mapas já armazenados.

Como a maioria das pessoas usa o GPS de aplicativos de celular smartphone, é preciso do acesso a internet. Mesmo que seja apenas para baixar os mapas e definir as rotas antes de perder o acesso à rede.  

Funcionalidade offline

Tanto nos aplicativos quando nos dispositivos de carro é possível usar a função offline. Com ela, você pode armazenar os dados, mapas e rotas e realizar a navegação sem necessitar do acesso a internet.

Por isso, se você vai viajar de carro, por exemplo, uma dica é aprender a como usar a função offline do GPS que vai usar. Assim, você não terá problemas de navegação mesmo que na estrada não haja conexão com a internet.

Celular com GPS ligado
O GPS de aplicativos de celular smartphone precisam de internet para funcionar (Foto: depositphotos)

Avisar locais de blitz no GPS é crime?

Sim, e é um tipo de corrupção muito comum no Brasil. A ação é ilegal e pode acarretar na pena de até 5 anos de reclusão, além de multa. É categorizado como crime cibernético, e não de trânsito.

Este crime tornou-se muito mais comum com o advento das redes sociais. Após a Lei Seca, motoristas irresponsáveis começaram a utilizar principalmente o Whatsapp para informar os locais de blitz, e assim continuarem a dirigir embriagados, colocando a vida de pessoas em risco.

Não há uma lei específica para punir quem pratica esse crime. Contudo, de acordo com o Código Penal, no Art. 265, é crime “atentar contra a segurança ou o funcionamento de serviço de água, luz, força ou calor, ou qualquer outro de utilidade pública”.

Como os serviços de fiscalização são formas de promover a segurança dos cidadãos e motoristas, burlar esse serviço é crime.

Por isso, não faça e nem participe deste tipo de esquema de corrupção. Além de estar contribuindo para a irresponsabilidade e crimes de trânsito, você ainda pode ser autuado(a) e preso(a).

O que é Guia de Previdência Social (GPS)?

A sigla GPS também dá nome ao Guia de Previdência Social. De acordo com a Receita Federal, trata-se de um “documento hábil para o recolhimento das contribuições sociais a ser utilizada pela empresa, contribuinte individual, facultativo, segurado especial e empregador doméstico, este último para contribuições referentes às competências 09/2015 e anteriores”.

BV: O que é, conceito e definição

Você sabe qual é o significado de BV? Os adolescentes e jovens usam centenas de siglas e gírias no seu dia a dia e nem sempre é fácil acompanhar a velocidade com que elas surgem e deixam de ser usadas.

Por causa disso, este artigo é dedicado a explicar qual é o real significado de BV, a gíria, no whatsapp. Além disso, vamos apresentar algumas dicas para quem quer conquistar o crush e perder o BV, confira.

Veja também outros usos para a sigla, o que eles significam e onde pode ser aplicada corretamente.

O que é BV?

BV é uma sigla frequentemente usada por adolescentes e jovens brasileiros. Ela é formada pelas letras iniciais de duas palavras e servem para representar alguma característica ou situação.

No caso citado neste post, BV significa Boca Virgem. Ou seja, é uma gíria usada geralmente para descrever alguma pessoa que nunca beijou alguém na boca. Na maioria das vezes usada de uma maneira pejorativa com pessoas que nunca nem deram um selinho ou um beijo sem língua.

Essa gíria ganhou ainda mais força e destaque com a popularização da internet e das redes sociais. No entanto, ao contrário do que muita gente pensa, a sigla BV não surgiu com a invenção das redes sociais.

Casal jovem dando beijo
Esse termo é muitas vezes usado de forma pejorativa (Foto: depositphotos)

Não se sabe ao certo quando ela começou a ser usada pelos adolescentes, mas a primeira menção do termo em um meio de comunicação aconteceu em 1998. O termo foi um dos apresentados em uma matéria, veiculada na edição de 26 de julho do jornal O Globo.

A matéria falava sobre as gírias que estavam na moda entre os adolescentes. No entanto, a expressão BV só ganhou popularidade nacional em 2001. Ano em que ganhou permanentemente a menção entre os jovens e adolescentes.

A popularidade se deve ao fato de uma matéria que foi veiculada no jornal Folha de São Paulo, em abril daquele ano. A partir daí, a sigla ganhou um status permanente e que continuou na era da internet, ao contrário de outras gírias da época, que foram substituídas por outras novas e estrangeirismos.

BVL e BVBL

A língua falada é algo vivo, portanto está sempre em um movimento de adaptação as situações e novos falantes. Por isso, não é incomum que as gírias mudem e ganhem inúmeras variações ao longo das gerações.

No caso da expressão BV, surgiram duas variações principais. A primeira é a sigla BVL, que significa literalmente Boca Virgem de Língua. Ou seja, é uma gíria para descrever uma pessoa que nunca beijou outra usando a língua.

A outra variação é a BVBL, que é Boca Virgem de Beijo Longo. Essa expressão já é um pouco mais recente, tendo sido criada em 2013 pela autora brasileira Thalita Rebouças. Como o nome já diz, essa gíria é usada para descrever quem nunca deu um beijo longo e foi muito usada por adolescentes no início da década.

Uma curiosidade é que o surgimento dessas siglas acompanhou a mudança natural entre os comportamentos dos jovens de diferentes gerações. Ou seja, no início, o necessário era apenas dar um beijo, mesmo que fosse apenas o famoso selinho.

Cerca de uma década depois, a pressão dentro da organização social deles aumentou. Fazendo com que outras siglas fossem sendo criadas e difundidas como uma forma de representar a necessidade de mostrar determinadas atitudes socialmente.

Como deixar de ser BV?

Perder o famoso BV ou dar o primeiro beijo é um fato que todos já passaram na vida. Imaginar e sentir ansiedade pelo primeiro beijo e de ver os amigos falando sobre o assunto. No entanto, essa situação pode se transformar em um problema na vida de muitos adolescentes.

Principalmente pela pressão imposta pelos amigos e acreditar na necessidade de que o primeiro beijo deve ser dado imediatamente.

Isso fez com que o termo BV ganhasse um sentido pejorativo, sendo usado até mesmo como uma forma de intimidação entre os grupos. Fazendo com que muitos jovens se sintam excluídos ou deslocados.

Vale lembrar que, de acordo com a psicologia, não existe uma idade certa para dar o primeiro beijo. Principalmente pelo fato de que cada pessoa amadurece de uma maneira diferente.

Por isso, não é necessário ficar se martirizando por ser o único do grupo que não deu o primeiro beijo. Muito menos se envergonhar e mentir sobre isso para se sentir mais aceito socialmente.

Dicas

Existem algumas dicas que podem ajudar a quem fica nervoso com a ideia de dar o primeiro beijo a perder o BV. Antes de mais nada, é preciso saber que não adianta forçar o momento e fazer algo sem estar preparado mentalmente.

Logo depois, é necessário estar confiante e criar a oportunidade perfeita. Isso pode ser em uma festa ou marcando um encontro com o crush. O importante é estar certo do que quer e deixar isso claro.

Na hora do beijo é importante se atentar a algumas coisas. Em primeiro lugar manter os lábios hidratados e o hálito fresco. Em segundo lugar, relaxar e seguir o momento para não deixar o nervosismo estragar tudo. Por fim, evitar ficar se mexendo demais e seguir a intuição.

Dois emojis dando beijo
Do termo BV vieram variações como o BVL e o BVBL (Foto: depositphotos)

Outras gírias famosas de Whatsapp

As redes sociais fizeram surgir várias gírias, que podem ser totalmente desconhecida por quem não está sempre atento as novidades do meio.

Desse modo, muitos usuários da plataforma podem ficar completamente perdidos ao se deparar com algumas das expressões mais populares.

Uma gíria que se popularizou entre os jovens foi a expressão ranço. Essa gíria surgiu nas redes sociais e é usada para descrever um sentimento de desprezo ou raiva por algo ou alguma pessoa. Outros usos desta expressão é para quando alguma situação se tornou entediante. Ou seja, “pegou ranço dela”.

Outra gíria popular no Whatsapp é a #partiu. Essa expressão é usada como um sinônimo para a frase “vamos lá”. Ou ainda quando se está de acordo com alguma situação.

A expressão stalkear se tornou bem famosa na internet nos últimos anos. Ela é um exemplo de estrangeirismo, já que é derivada da palavra inglesa stalker, que significa literalmente perseguidor. Dessa maneira, stalkear é usada quando alguém espiona ou acompanha todas as atividades de outra pessoa nas redes sociais.

Outra gíria famosa e que é derivada do inglês é o termo crush, que significa paixão platônica. Ou seja, é o equivalente a expressão paquera, que era bastante usada há alguns anos.

Ficar pistola é outra gíria que é bastante usada no Whatsapp e em outras redes sociais. Ela é usada para descrever quando alguém fica muito irritado com determinada situação.

Por fim existe a gíria divar. Essa expressão, que significa literalmente agir como uma diva, se tornou um verbo por conta do uso frequente.  Nas redes sociais, divar quer dizer agir de maneira espetacular, maravilhoso, ou seja, como uma estrela.

O que significa BV no meio financeiro?

A sigla BV ainda possui outros significados, além de ser uma gíria adolescentes. Um deles é para representar a marca do Banco Votorantim, que atua há 22 anos no mercado financeiro.

Essa é uma empresa brasileira que foi fundada em julho de 1996. Esse grupo é formado por acionistas do Banco do Brasil e do Votorantim S.A.

O principal serviço oferecido pela instituição é o de financiamento, principalmente quando se trata de veículos, imóveis e crédito pessoal. A rede está presente em todo o Brasil, por isso não é incomum que o termo BV seja visto no meio financeiro.

Significado de BV no meio publicitário

Outro significado associado a sigla BV é o de Bonificação por Volume. Esse é um acordo entre agências de publicidade de clientes, que foi criado no início dos anos 60. Sendo originalmente brasileiro.

A ideia por trás da criação desse sistema de bonificação era o de incentivar o investimento feito pelas agências de publicidade. Ou seja, as empresas eram bonificadas, de maneira proporcional, de acordo com o valor que era investido em propagandas para determinados veículos.

Desse modo, a intenção era garantir que as agências iriam trabalhar para garantir a melhora da qualidade do produto final. Podendo ser através da contratação de novos contratados, da compra de equipamentos ou de qualificação para os profissionais responsáveis pela criação das peças.

O cálculo mais aceito é o de que a agência deve receber pelo menos 20% do valor que foi destinado para a publicidade em determinado veiculo de comunicação.

Ou seja, de toda a renda que é paga ao veículo em que a propaganda será destinada, a agência deverá receber 20% do valor total. Isso serve para garantir a continuidade dos investimentos naquele setor.

Esta bonificação é também chamada de Comissão de Agência. Podendo ser paga também de acordo com o crescimento que a agência apresentou em determinado veículo de comunicação.

Sendo assim, é feito um cálculo que avalia a diferença entre os investimentos e paga uma bonificação em cima do valor excedente.

Mandala: o que é, significado e conceito

 

De acordo com o dicionário de sinônimos, mandala é um diagrama composto de formas geométricas concêntricas, utilizado no hinduísmo, no budismo, nas práticas psicofísicas da ioga e no tantrismo como objeto ritualístico e ponto focal para meditação.

Já do ponto de vista religioso, a mandala é considerada uma representação do ser humano e do universo; em sua forma menos elaborada, é denominada iantra. Segundo a teoria junguiana, o círculo mágico representa simbolicamente a luta pela unidade total do eu.

No campo etimológico, a uma palavra sânscrita significa ‘círculo’ ou ‘linha fechada em círculo que simboliza o universo’. Saiba mais sobre o assunto agora.

Formas e tradições da Mandala

Apesar de mais comum, a mandala nem sempre é um círculo. Você sabia disso? Realmente, elas podem ser precisas, cuidadosamente medidas, geométricas e perfeitamente simétricas, porém elas também podem apresentar características fluidas, orgânicas e assimétricas e até em desenhos quadrados.

Mandala circular
As mandalas são precisas, geométricas e perfeitamente simétricas (Foto: depositphotos)

Nas tradições hindus e budistas, as mandalas servem para meditar. Ou seja, são objetos de desenvolvimento espiritual de uma pessoa. Para você ter uma ideia, a mandala e seus símbolos representam a jornada espiritual, os ciclos de nascimento-vida-morte e a interconectividade de todas as coisas vivas.

Especificamente na tradição hindu, a mandala tem ligação com o “eu-divino”. Já no budismo, a ênfase está no potencial de iluminação (natureza de Buda), sendo as imagens representantes dos obstáculos da vida, que podem resultar em compaixão e sabedoria.

Mas engana-se quem pensa que mandala só tem significado para essas duas filosofias. Pois em muitas culturas ela é encontrada e muitas vezes nem percebemos.

Por exemplo, a mandala é encontrada nos espirais celtas e trabalho de nó desse povo; no cristianismo por meio dos símbolos como a rosácea, rosário e auréola; na China, por meio do tradicional símbolo Yin e Yang; na cultura dos hindus nas Yantras.

Além disso, a mandala está presente nos labirintos; em instrumentos utilizados pelos índios americanos como apanhadores de sonhos e escudos nativos americanos.

No Tibet, há pinturas de mandalas na areia e até mesmo os calendários gregorianos, astrológicos e maias, pois eles trabalham com ciclos de tempos.

Há ainda o uso das mandalas na arquitetura, de estupas budistas a mesquitas muçulmanas e catedrais cristãs. Não é incrível, como a mandala está presente em diversos aspectos?

Como usar a mandala

Agora que você já sabe o significado da mandala e como as culturas e religiões se apropriam dela como símbolo, você pode descobrir como usar a mandala a seu favor.

Comece pela escolha da mandala. Selecione uma que te agrada e pesquise sobre ela para criar um vínculo de conhecimento. Vale lembrar que você deve escolher tudo, desde a forma até as cores da mandala. Haja visto que tudo isso interfere no resultado do seu desenvolvimento. Veja agora o passo a passo.

Passo a passo para usar mandala

Experimente usar a mandala para se livrar dos pensamentos irritantes, simplesmente olhando fixamente para o seu desenho. A crença é que a observação concentrada permite que o indivíduo desenvolva uma consciência superior, quase como se estivesse sendo hipnotizado.

Isso permite que a mente faça uma pausa enquanto a mente criativa se desenvolve.

Cada pessoa, ao contemplar uma mandala, experimenta sentimentos diferentes, porém a maioria delas relaxa e consegue descansar a mente. Veja o passo a passo:

  • Passo 1. Faça isso por, pelo menos, 5 minutos inicialmente. Em sessões posteriores, gradualmente tente aumentar seu período de meditação para 15 minutos.
  • Passo 2: Escolha um lugar de silêncio.
  • Passo 3: Coloque a mandala escolhida em uma mesa ou no chão à sua frente. Se preferir, coloque-a em cima de banquinho desde de que ela esteja, de preferência, nivelada com a linha do olho.
  • Passo 4: Sente-se confortavelmente, seja em uma cadeira com os pés apoiados no chão, ou em uma almofada com as pernas cruzadas.
  • Passo 5: Respire lenta e profundamente. Utilize o diafragma para isso, enquanto esvazia e acalma sua mente.
  • Passo 6. Olhe suavemente para a mandala e relaxe os olhos para que, inicialmente, a imagem fique lentamente fora de foco.
  • Passo 7. Sente-se em silêncio, concentre-se totalmente na imagem e permita que suas formas, padrões e cores trabalhem em sua mente inconsciente.
  • Passo 8: Se surgirem pensamentos perturbadores, deixe-os se afastarem e gentilmente retorne seu foco para a mandala. Procure esquecer as tarefas do dia a dia e os problemas. Cada vez que isso acontecer, retorne para o foco principal que são as formas da mandala.
Mandala flor
As mandalas podem ser circular ou não, podendo ter formas variadas (Foto: depositphotos)

Como criar mandalas

Algo que está em alta é criar suas próprias mandalas. Os benefícios são diversos e já é uma prática muito divulgada uma vez que fazer desenhos geométricos e pintá-los, por exemplo, relaxa o corpo e a mente.

Além disso, desenhar mandalas alivia o estresse, ansiedade, preocupação, opressão, medo, depressão, ativa a criatividade, melhora o foco e melhora o sono. Ademais, ela pode trazer sentimentos de felicidade, paz interior, bem-estar geral, auto-estima e auto-aceitação.

De acordo com a regista Spirit and Destiny as cores da sua mandala também interferem no resultado diretos. Cada cor significa um sentimento que você deseja alcançar. Veja.

Significado das cores da mandala

  • Preto: para mistério, pensamento profundo e individualidade
  • Azul: para cura emocional, paz interior e meditação
  • Rosa: para amor, intuição e o feminino
  • Amarelo: para aprender, sabedoria, riso e felicidade
  • Laranja: para criatividade, transformação, autoconsciência e intuição
  • Roxo: para todas as coisas espirituais
  • Vermelho: para força, alta energia e paixão
  • Verde: para cura física, habilidade psíquica, amor à natureza e cuidado
  • Branco: para foco espiritual

Resumo do significado de mandala

A mandala é um diagrama composto por formas geométricas utilizado por algumas filosofias e culturas para representar o universo e a busca pelo próprio sentido de ser. Além disso, mandala significa algo que vai além das formas geométricas em si.

Ela é um caminho para a meditação que representa o humano e o todo o cosmo. Por isso, a mandala em um significado forte para as pessoas místicas. O desenho em si pode ser de várias cores e cada uma delas também traz o seu significado.

A representatividade desse objeto pode ser encontrada em diversas construções espalhadas pelo mundo e também inserida em religiões e costumes de antepassados. Atualmente, a mandala é bastante utilizada em tratamentos terapêuticos holísticos.