Agnóstico: o que é, significado e conceito

Agnóstico é o adjetivo que define as pessoas que não se interessam por discussões sobre temas sobrenaturais ou metafísicos, como os que são levantados por religiões. Para essas pessoas, a crença e debate sobre isso é irrelevante e as questões são inatingíveis pelo conhecimento, sendo assim inúteis no desenvolvimento humano.

As pessoas agnósticas praticam o Agnosticismo, a doutrina filosófica que declara inacessibilidade ao espírito humano. Isto é, considera vazias as ideias metafísicas e ideologias religiosas que estimulam a fé em seres e conceitos sobrenaturais.

Para as pessoas agnósticas, não há maneira de confirmar através da compreensão humana os fenômenos sobrenaturais. Isto não quer dizer que elas negam a existência do sobrenatural, apenas entendem que não há como confirmá-la e por isso esse debate é inútil.

Abaixo, você encontrará todas as informações e curiosidades sobre esse tema. Verá também as diferenças entre agnóstico e ateu, além de outras informações importantes sobre o assunto.

Cruz iluminada
O agnóstico não nega a existência do sobrenatural, mas consideram o debate inútil (Foto: depositphotos)

O que é ser agnóstico: Significado

Ser agnóstico significa não se interessar, participar ou estimular as discussões sobre religiões, mitos e fenômenos sobrenaturais. Uma pessoa que pratica o agnosticismo não considera relevante o debate sobre esses temas uma vez que não é possível comprovar cientificamente ou empiricamente a veracidade destas questões.

Para uma pessoa que pratica o agnosticismo, a razão humana não é capaz de fundamentar a existência de Deus ou de seres metafísicos que possam explicar a existência ou destino do espírito humano, se o mesmo existir de fato.

Portanto, sendo uma discussão onde não é possível ter um resultado concreto ou comprovação, os agnósticos seguem a filosofia de não se importar com esse assunto. Isso não quer dizer que elas negam a possibilidade, apenas não se interessam por ela.

Origem do termo

A palavra agnóstico vem do grego agnostos, que significa “desconhecido”, “não cognoscível” ou “inacessível”.

É um termo que teve grande participação no desenvolvimento na filosofia iluminista a partir do século XVIII, onde se iniciou o desapego e desinteresse pelas práticas das religiões na Europa, especialmente a Cristã.

A palavra, assim como o seu conceito, foi usada pelo naturalista inglês Thomas Henry Huxley (1825 – 1895) no século XIX. O estudioso escreveu em textos pessoais sobre suas dúvidas a respeitos das crenças religiosas e o poder de Deus na Humanidade.

O Agnosticismo é uma filosofia que ganha cada dia mais adeptos. Esse fenômeno acontece por vários motivos. Os principais são a diminuição da influência das igrejas, a manipulação comprovada dos fiéis e deturpações das religiões por parte de líderes mal intencionados.

Muitas religiões (especialmente a cristã), no mundo moderno, também estão cada dia mais ligadas ao capitalismo e ao dinheiro. Isto levanta dúvidas sobre o papel caridoso e social das instituições e seus líderes, um dos caminhos para o agnosticismo.

Diferença entre ateu e agnóstico

Muitas pessoas confundem o ateu e o agnóstico, mas são duas coisas diferentes.

Ateu é quem não acredita em Deus ou outros seres superiores e místicos das religiões. Ele nega a existência dessas presenças sobrenaturais. É um termo de origem grega (atheos), que significa “sem Deus”.

Assim como o ateu, o agnóstico também não acredita em Deus ou outros seres superiores, mas não nega a possibilidade. Ele pode ser teísta ou ateísta. Isso significa que ele não encontra razões para acreditar que Deus existe ou que não existe. Simplesmente é um assunto que não lhe interessa.

Por isso, quando você ouvir alguém dizer que é agnóstico(a), não significa que ele seja ateu ou ateia. Isso quer dizer que essa pessoa não é fiel a nenhuma religião por falta de interesse nessas questões.

Uma curiosidade sobre o termo “ateu” é que ele é formado pela partícula de negação “a” seguida do radical “theos” que significa Deus.

Diferença entre cético e agnóstico

É chamada de cética a pessoa que não acredita em absolutamente nada. Os céticos duvidam de tudo de forma pessimista, com a inclinação da impossibilidade da existência de Deus, seres sobrenaturais, crenças, mitos, histórias, e outros.

Contudo, uma pessoa pode ser cética para algumas coisas e não para outras. Por exemplo, pode haver ceticismo sobre a religião cristã, mas ser aberto(a) a possibilidade em outras áreas da espiritualidade.

O cético não está aberto a possibilidade. Pelo contrário, ele possui argumentos e dúvidas claras para não acreditar no alvo do seu ceticismo.

Famosos agnósticos: Veja a lista

Algumas celebridades e pessoas de renome da História Mundial já afirmaram que são agnósticas ou deixaram indícios de terem praticado o agnosticismo. Por isso, separamos uma lista com os principais nomes dos famosos que já se posicionaram como agnósticos:

  • Bill Gates
  • Angelina Jolie
  • Charlie Chaplin
  • Brad Pitt
  • Albert Einstein
  • Caetano Veloso
  • Chico Buarque
  • Charles Darwin
  • Albert Camus
  • Jorge Luís Borges

Frases sobre ser agnóstico

Por se tratar de uma filosofia, o agnosticismo possui muitas frases e citações famosas. Quem segue essa filosofia acredita na humildade do conhecimento e se nega a tentar ultrapassar os limites que a compreensão humana possui.

Sendo assim, veja abaixo a frases e citações mais conhecidas:

As pessoas defendem apaixonadamente a religião que receberam de seus pais. Defenderiam com igual paixão qualquer outra fé, possivelmente oposta, se tivessem nascido em outra família.” — Richard Dawkins

Não tenho medo da morte. Estive morto por bilhões e bilhões de anos antes do meu nascimento e isso nunca me causou qualquer inconveniência.” — Mark Twain

O desejo de salvar a humanidade é quase sempre um disfarce para o desejo de controlá-la.” — H. L. Mencken

Corra o risco de pensar por si mesmo. Muito mais felicidade, verdade, beleza e sabedoria virão a você dessa forma.” — Christopher Hitchens

Convicções são maiores inimigas da verdades que mentiras.” — Friedrich Nietzsche

O que pode ser afirmado sem provas também pode ser rejeitado sem provas.” — Christopher Hitchen

Todas as frases e citações foram retiradas do site da ATEA, a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos. Se quiser ver mais informações sobre esse assunto, pode clicar neste link e conferir o site da Associação.

Etnocentrismo: o que é, significado e conceito

Na escola, ou no próprio dia a dia, o significado de algumas palavras pode deixar muita gente em dúvida. Com a palavra etnocentrismo, o caso não foge dessa realidade. Para saber o que é, o significado e conceito, fique atento a esse artigo!

No geral, essa não é uma palavra pouco usada, salvaguarda em pontos específicos, para definir grupos de estudos e em trabalhos de pesquisa. Nos livros de história, por exemplo, o etnocentrismo também pode aparecer.

Dependendo do caso, as pessoas até têm relação direta com o significado da palavra, porém, não sabem! Em todo caso, nunca é demais somar conhecimento para a vida, certo? Então, fique atento a todos os detalhes!

O que é etnocentrismo

O etnocentrismo é um conceito da antropologia que está vinculado a forma como as pessoas enxergam o seu lugar dentro de um sistema ou sociedade. Ou seja, alguém que considera o seu grupo étnico ou cultura o centro de tudo.

Homem superior a outros
Etnocentrismo não é a mesma coisa que racismo (Foto: depositphotos)

É como se a cultura do outro não tivesse o menor valor, fosse errada ou primitiva, perante a sua. O etnocentrismo também parte de uma avaliação em juízos de valor daquilo que é diferente.

Pelo próprio conceito, é comum que as pessoas possam relacionar o etnocentrismo com o racismo. Porém, não é bem por aí! O racismo usa critérios supostamente biológicos para estabelecer o conceito de superioridade, enquanto o etnocentrismo faz uso de conceitos culturais e sociais para estabelecer superioridade.

O etnocentrismo também é identificado como um conceito da Antropologia que tem origem no dialeto grego, onde “ethnos” tem o significado ligado a “nação, tribo ou pessoas que vivem juntas” e centrismo que indica o centro.

Etnocentrismo e relativismo cultural

Pela própria amplitude da palavra etnocentrismo, é bem comum que as pessoas a relacionem com outros conceitos sociais, como é o caso do relativismo cultural. Antes de continuam com explicando essa relação, veja o que vem a ser o relativismo cultural.

Relativismo Cultural

O Relativismo Cultural é identificado como sendo uma linha de pensamento que busca relativizar as culturas. De certa forma, essa visão defende que todas as crenças, costumes e ética estejam contidas dentro do seu próprio contexto social.

Esse conceito está relacionado a forma com que cada grupo de pessoas interpreta um significado, por exemplo. Para identificar se uma coisa é “certa” ou “errada”, o meio social no qual se está inserido pode interferir diretamente.

A relação entre etnocentrismo e relativismo cultural

Depois de todos os pontos apresentados, percebe-se que o conceito de relativismo cultural é considerado o oposto do etnocentrismo. A visão etnocêntrica coloca a sua própria cultura como ponto de comparação, levando em consideração outras do meio.

Já a relativismo cultural vai buscar entender a diversidade e como ela é manifestada, tomando como base diferentes pontos, tais como outras sociedades, símbolos e práticas.

A partir de todas essas perspectivas, o valor relacionado ao “outro” é maior e relevante, principalmente quando levado em consideração o sistema cultural e social no qual a pessoa está inserida.

Exemplos de etnocentrismo

Depois de tudo que foi falado até agora, nada melhor que alguns exemplos claros para fixar todo o conteúdo discutido até agora no artigo. Preste atenção em casos que expressam o significado de etnocentrismo.

Índios

Quando chegaram ao Brasil, os europeus se depararam com os índios. Esse povo foi bastante julgado e por não se enquadrar no “modelo” que, até então, existia de sociedade e civilização na época. Assim, os europeus eram vistos como etnocêntricos.

Esse ponto também pode ser reflexo no âmbito religioso, já que os europeus acreditavam em cristo como único salvado, enquanto que os índios cultuavam vários deuses. Então, mais uma vez, o povo europeu se colocava como centro.

Os mesmos conceitos de superioridade, ainda tomando como base o europeu e o índio, também podem ser vistos em vários outros pontos: organização social, liberdade e valores.

Sudeste x Nordeste

Por muito tempo os nordestinos foram vistos como sociedade inferior por parte da população do sudeste brasileiro. O sotaque, forma de se vestir, de se relacionar e tantos outros fatores serviam como motivos para que esse povo fosse “rebaixado”.

Essa visão de que a população do Sudeste era superior passou a “diminuir” a cultura nordestina. Isso faz dessa relação um exemplo de etnocentrismo, já que as diferenças não eram respeitadas.

Agora, esse exemplo não pode ser generalizado, visto que, hoje, nem todo mundo tem essa impressão.

Considerações adicionais sobre o etnocentrismo

É importante deixar claro que o etnocentrismo está diretamente relacionado à dimensões intelectuais e afetivas. Dessa forma, levam-se em consideração ideias, interpretações e pensamentos sobre determinados assuntos, o que vem a gerar empatia.

Quando as pessoas interpretam tudo isso como uma verdade absoluta ou como forma de se tornar superior em relação a outras pessoas, isso pode gerar problemas que dificultam a relação de convivência entre elas, sobretudo quando inseridas em um mesmo meio.

O que é etnocentrismo e alteridade?

Se por um lado o etnocentrismo coloca uma pessoa ou um grupo delas em uma posição de destaque em relação aos demais, a alteridade defende o conceito de que o homem tem uma relação de interação e dependência com o outro.

Ou seja, a alteridade desconstrói a ideia de centralização e independência, até porque, o indivíduo só pode existir através de um contato com o “outro”. Pois é justamente esse contato que vai motivar certos aprendizados e conceitos.

Como parte de um ponto onde o outro recebe igual valor, uma nova relação pode ser construída, sobretudo baseada em diálogos e na troca de experiências. Na visão da filosofia, alteridade é o contrário de identidade.

Etnocentrismo e preconceito

Por tudo que foi apresentado até agora, é normal que as pessoas comecem a enxergar o etnocentrismo como uma forma de preconceito. O etnocentrismo se relaciona com o conceito de estereótipo.

Na maioria dos casos, esse mesmo etnocentrismo está vinculado a generalização e atribuição de valor a alguém ou algo. Esse valor pode ser negativo e também positivo, mas, na grande maioria, é negativo!

Do outro lado, o preconceito é uma ideia pré-concebida sobre algo que ainda não se conhece. Por ser repetido e negado tantas vezes, esse conceito acaba se tornando uma verdade. Isso vale para músicas, comidas, religião e cultura.

É nesse ponto onde esses dois pontos se diferenciam. Enquanto o etnocentrismo está mais ligado a supervalorização da própria cultura, o preconceito pode se manifestar numa atitude discriminatória, seja envolvendo pessoas, crenças, sentimentos e comportamentos.

Etnocentricamente falando

A julgar pelo comportamento de algumas pessoas, socialmente falando, é comum perceber que visões etnocêntricas estão mais próximas do que se pode imaginar. A partir da leitura desse artigo, você conseguirá identificá-las com mais facilidade.

É sempre bom correr em busca do conhecimento, pois é justamente ele que informará o indivíduo, para que, só assim, ele possa fazer a sua escolha, seja como agente inserido em uma sociedade ou difusor do conhecimento.

Imigrante: o que é, significado e conceito

Você sabe qual o significado de imigrante? Essa é uma palavra bastante recorrente, sobretudo no noticiário internacional. Para aprender não só o significado da palavra, mas muitos outros pontos ligados a ela, fique atento a esse artigo!

Objetivamente falando, imigrante é aquela pessoa que sai do seu país de origem e resolve ir para outro, seja para trabalhar ou morar. Nesse caso, ela também recebe o nome de estrangeira.

A palavra imigrante é de origem latina, formada pelas partículas ‘in’ e ‘migro’. Quanto aos significados, ‘in’ é uma preposição que indica movimento de fora pra dentro e ‘migro’ diz respeito a um verbo com sentido de deslocamento físico.

O que é imigrante

A palavra imigrante se refere a uma pessoa que vem residir num país que não é o seu. Para facilitar o entendimento, do ponto de vista do país que recebe essa pessoa ou grupo é que se classifica dessa forma.

Mulher com passaporte
Se chama imigrante aquele que vai fixar moradia em outro país (Foto: depositphotos)

Em outras palavras, o imigrante também é chamado de estrangeiro, já que a sua residência é em outro país. Esse movimento, também conhecido de imigratório, pode ser realizado por motivo de trabalho ou para fixar moradia.

É importante reforçar que, uma pessoa que chega em uma país para passear ou passar férias não pode ser chamado de imigrante e sim de turista. Um imigrante é aquele que imigra ou entrar em um país estrangeiro.

Esse movimento, além da palavra imigrante, existem outras que se relacionam a esse mesmo sentido. Entre as principais estão: imigração e imigrar. Elas são aplicadas a depender do contexto.

O que é imigração

Apesar de bem parecida, imigração é o nome que se dá ao movimento de entrada de indivíduos em um país estrangeiro. É bom destacar que o termo imigração só se aplica a pessoas que pretendem fixar residência permanente no país adotivo.

Isso também implica dizer que ele vai participar da vida social, conviver com costumes diferentes dos seus e ter de seguir algumas regras ou normas, para ser considerado um imigrante legal.

Essa questão de imigração está sempre em evidência, a julgar pela forma polêmica que certos países escolhem para administrar o tema. Os Estados Unidos costumam enxergar a imigração como algo prejudicial para a sua economia e política como todo.

O Brasil e os imigrantes

O Brasil é um país que ficou conhecido pela mistura de raças e povos, o que inclui também os movimentos imigratórios que foram constatados ao longo da história. Indícios históricos apontam que a imigração no Brasil começou no ano de 1808.

Esse foi o episódio mais conhecido, até porque, o movimento imigratório em questão é o da família real portuguesa. O movimento imigratório no Brasil cresceu ainda mais a com o fim do tráfico de escravos, no ano de 1850.

A partir de então, muitos europeus seguiram com destino ao Brasil devido a situação de pobreza vivenciada por lá. A motivação foi a quantidade de trabalho que existia por aqui, sobretudo nas lavouras de café e na agricultura.

O Brasil passou a receber imigrantes de diversos países, sendo Portugal, Itália, Espanha, Alemanha e Japão os principais deles. Isso explica a característica cultural deixada em cada lugar escolhido por esses grupos de pessoas.

O movimento imigratório só foi reduzir por volta do ano de 1934, quando foi criada à Constituição, responsável por estabelecer medidas restritivas à vinda de estrangeiros.

Lei de imigração

Existem critérios que estabelecem a permanência legal de um imigrante no território escolhido. Eles vêm a partir das “leis de imigração“. Essas determinações são estabelecidas em cada país, ou seja, são independentes.

Homem deixando seu país
Os Estados Unidos é um dos países que mais recebe imigrantes (Foto: depositphotos)

É bom destacar que os fenômenos migratórios têm fundamento jurídico. Nesse caso, a emigração é consagrada na lei fundamental, do princípio nº 2 do artigo 13º da Declaração Universal dos Direitos do Homem.

De acordo com um trecho do texto da lei em questão, “Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país.”

Qual é a diferença entre imigrante e emigrante?

A julgar pela pouca diferença na grafia entre imigrante e emigrante, muita gente se confunde na hora de usá-las. Porém, é bom salientar que ambas as palavras possuem significados diferentes.

As duas palavras são classificadas como parônimas. Isso quer dizer que elas possuem uma escrita e uma pronúncia muito semelhante. Apesar disso, possuem significados e sentidos totalmente diferentes.

Todos os dois fenômenos são caracterizados pela espontaneidade de deixar o país de origem para se estabelecer em outro. Ou seja, nada é imposto por ninguém. Veja quais os principais diferenciais para evitar confusão!

Imigrante

A palavra imigrante é usada para identificar uma pessoa que saiu do seu país de origem para outro país. Nesse caso, o ato de entrar em um país diferente do seu caracteriza-o como estrangeiro.

A pessoa também é identificada de imigrante a partir do ponto de vista do país que a recebe ou acolhe. Sendo assim, as palavras relacionadas à imigrante, como migrar ou imigração, possuem relação com o país de destino.

Emigrante

Já no que se refere a emigrante, a pessoa sai de um país e viaja para residir em um país diferente do dado pela sua origem. Em outras palavras, emigração é quando se deixa a pátria de origem com intenção de se estabelecer em um país estranho.

Do ponto de vista da pátria a qual ele deixa, ele é denominado de emigrante. As demais palavras relacionadas a esse movimento são emigrar ou emigração, que possuem uma relação direta com o país de origem do indivíduo.

A colocação adequada dos termos

Depois de conhecer todo o significado da palavra imigrante, assim como a sua utilização correta, agora, você não vai mais se confundir ou equivocar quando a palavra aparecer em uma conversa.

No sentido de solucionar todas as dúvidas, você também viu no artigo a diferença entre imigrante e emigrante. Por aqui também foi possível conhecer o significado da Lei de Imigração e o quão ele pode direcionar a política de um país.

Selfie: o que é, significado e conceito

A palavra Selfie vem do inglês e deriva do termo self-portrait, que significa autorretrato. Hoje em dia, chamamos de selfie a foto tirada de si mesmo (sós ou acompanhados) que é postada na internet através das redes sociais.

A maioria dos celulares vendidos na atualidade já possuem câmeras frontais, a fim de facilitar o autorretrato/selfie. Dessa maneira, a pessoa se vê na tela do aparelho e posa para que a foto fique do jeito que ela quer.

Sem sombras de dúvida é o tipo de foto mais comum da atualidade. As redes sociais mais usadas atualmente para postagem de selfies são o Instagram e Facebook. Ultimamente, as selfies podem ser usadas como fotos de perfis profissionais na internet.

Significado de selfie

Uma selfie nada mais é do que um autorretrato postado na internet. No geral, é tirada pela própria pessoa. Mas, se ela estiver em grupo e aparecer na selfie, continua sendo a mesma categoria de foto. Em uma selfie pode haver 1 ou mais pessoas.

Mulher tirando selfie
Selfie se refere a um autorretrato (Foto: depositphotos)

Também existem dispositivos próprios para as selfies, como o conhecido “pau de selfie”. Ele nada mais é do que um extensor de celular para tirar autorretratos. Além dele, há também lentes sobressalentes desenvolvidas para câmeras de celular, que proporcionam variações da selfie.

Além dos celulares com câmera e smartphones, as selfies também podem ser tiradas usando câmeras digitais, profissionais ou mesmo webcam de computador. O que diferencia a selfie de um autorretrato comum é o fato de que ela é tirada exclusivamente para ser compartilhada nas redes sociais.

Fenômeno selfie: Entenda a popularidade

O dicionário Oxford escolheu a palavra “selfie” como a palavra do ano em 2013. O principal motivo da escolha foi porque esse termo teve um aumento gigantesco de 17000% de buscas na internet, o que marcou oficialmente a selfie como uma fenômeno mundial.

Foi, sem dúvida alguma, a palavra mais pesquisada naquele ano. Nos anos seguintes, vários fenômenos da internet tiveram relação com as selfies, como a famosa “duck face” (“cara de pato”, traduzido do inglês). A duck face nada mais é do que a selfie em que a pessoa posa fazendo um “biquinho” com a boca.

Entre 2014 e 2016, o pau de selfie virou um fenômeno no mundo inteiro. Foi um dispositivo muito associado ao turismo, pois sempre estava nas mãos das pessoas durante viagens. Tudo isso porque o pau de selfie deixa o celular mais afastado do rosto, o que rende uma foto mais ampla. É ótimo para selfies com paisagens no fundo.

História da selfie

Apesar da palavra “selfie” ser bastante atual, a prática do autorretrato é algo bem antigo. O costume de se autorretratar em obras já acontecia há centenas de anos, quando os pintores faziam pinturas de si mesmos. Contudo, o autorretrato, em seu significado real, só pode ser considerado após a invenção da câmera fotográfica.

Em uma matéria especial da BBC, publicada no fim de 2017, a agência afirma que “a mais antiga fotografia selfie acredita-se que seja de Robert Cornelius aos 30 anos, que a tirou do lado de fora de sua loja de lâmpadas na Filadélfia, nos EUA”, explica. Isso em 1839.

Segundo a matéria, naquela época o tempo de duração de uma foto era de cerca de 15 minutos. Após esse exemplo, existem outras selfies dos mais variados tipos que datam de anos como 1914, 1920 e, surpreendentemente, uma selfie no espelho tirada pelo cantor Frank Sinatra antes da fama, em 1938.

Primeiro registro da palavra selfie

O primeiro registro sobre a palavra “selfie” foi encontrado em um fórum online australiano, publicado em 2002. Os australianos são conhecidos por usarem a terminaram “ie” em palavras, a fim de deixá-las mais curtas.

O autor da palavra foi o australiano Nathan Hope, que postou uma foto do seu lábio machucado em uma festa de aniversário de um amigo. Junto com a fotografia, ele escreveu “Desculpem o foco, era uma selfie”.

Apesar da própria matéria da BBC afirmar que Hope é o autor da palavra, o mesmo já revelou em entrevistas para a TV que não foi o inventor da palavra e que já tinha ouvido outras pessoas falarem antes dele.

Contudo, foi através do registro e postagem de Hope que os pesquisadores tiveram a certeza de que a palavra “selfie” deriva do termo “self-portrait” (autorretrato, em inglês).

Desafios polêmicos

A selfie também foi instrumento de vários desafios na internet, eventos que se popularizam bem rápido e geram várias polêmicas. Um dos desafios mais famosos o “Desafio Kylie Jenner”, que consistia em se filmar ou tirar uma selfie com os lábios mais carnudos possível.

Tudo começou em 2015, quando uma das estrelas do reality show americano Keeping Up With The Kardashians surgiu com lábios muito mais carnudos do que tinha naturalmente. Logo virou um meme na internet, porque visivelmente se tratava de um preenchimento estético que a famosa negava com unhas e dentes.

Então as pessoas começaram a usar várias estratégias para ficarem com os lábios grandes e carnudos, para tirarem selfies ironizando o caso. A maioria dos desafiantes usava da sucção em copos e recipientes para fazer os lábios incharem.

Foi uma grande polêmica na época porque os lábios inchados demoravam algum tempo para voltar ao normal e muitas pessoas acabaram se machucando. Levantou também uma grande questão sobre as brincadeiras da internet.

Desafia de Kylie Jenner
O Desafio Kylie Jenner se tornou uma febre em 2015 (Foto: Reprodução (Instagram)

Mais recentemente, em agosto de 2018, um novo desafio chamado “DeleChallenge” (“Desafio do Dele”, traduzido do inglês) tomou conta da internet. Ele consistia em fazer um gesto com os dedos em frente aos olhos.

O gesto se popularizou após o jogador britânico de futebol Dele Alli fazer o gesto em comemoração a um gol. Em poucos minutos, milhares de pessoas reproduziram o gesto através de selfies em suas redes sociais.

A hashtag #DeleChallenge atingiu o primeiro lugar dos Trending Topics do Twitter nos dias seguintes.

Dele Alli
O DeleChallenge surgiu a partir do gesto feito pelo jogador (Foto: Reprodução | Instagram)

Exemplos famosos

O hábito de tirar selfies já foi importante para registrar momentos importantes e memoráveis na internet. Veja alguns exemplos de selfies que ficaram famosas:

  • Selfie do oscar da Ellen Degeneres: “A apresentadora americana Ellen Degeneres com famosos no Oscar de 2014. Bradley Cooper, Brad Pitt, Jennifer Lawrence, Meryl Streep estão na selfie.
  • “Selfie do Barack Obama com o Bear Grylls no Alaska”.
  • Alguma selfie da Kim Kardashian // “A personalidade de televisão, socialite, empresária Kim Kardashian é uma das famosas que mais popularizou a selfie na internet”.

É “o” selfie ou “a” selfie?

Por fim, vamos falar um pouco sobre o gênero desse termo. A palavra selfie se refere à prática do autorretrato, contudo trata-se de uma palavra do gênero feminino. Por isso, o correto é a selfie.

Apesar disso, a definição de gênero de novas palavras é algo complicado e muitas pessoas acabam falando “o” selfie. Especialistas afirmam que elas estão erradas, pois o sinônimo predominante da selfie é fotografia. Por isso, a forma correta de flexionar o gênero é no feminino, usando o artigo “a”.

#SELFIE: A música

Em 2014, a dupla de DJs e produtores musicais estadunidenses The Chainsmokers lançaram a música #SELFIE. Ela foi um dos maiores hits do ano em todo o mundo. A canção zomba da superficialidade das selfies, entretanto conta com uma batida contagiante e divertida.

No vídeo oficial da música no Youtube, com mais de 500 milhões de visualizações, é possível ver inúmeras selfies enquanto a música é reproduzida.

Sortilégio: o que é, significado e conceito

Você sabe o que é sortilégio? Essa é uma palavra bastante recorrente nas conversas formais e informais. Se você tem alguma dúvida em relação a palavra ou sua aplicação em frase ou contexto de um diálogo, aqui é o seu lugar!

Esse artigo vem com a finalidade de esclarecer o máximo a respeito do que vem a ser um sortilégio. Mesmo que muita gente já tenha o conhecimento real do seu significado, sempre tem uma ou outra dúvida que pode ser solucionada.

É importante destacar que a partir da utilização da palavra nos mais variados contextos, o significado dela pode vir a ser modificado. Por isso é importante aprender o máximo de questões a respeito dela, o que inclui também a palavra ‘sortilégios’.

O que é sortilégio

No que diz respeito ao significado, a palavra sortilégio está vinculada ao ato de enfeitiçar, seduzir ou encantar. Tudo isso levando em consideração os atributos naturais ou artificiais do que está sendo falado.

Trio de mulher com fantasia de bruxa
Esse termo passou a ser usado na Idade Média para designar bruxaria (Foto: depositphotos)

A palavra também está vinculada a fascinação que o ser feminino pode exercer sobre as pessoas. Como se a mulher tivesse atributos, ou sortilégios, que falassem por si só, jogando diretamente com o psicológico do homem, por exemplo.

Dependendo do contexto, a palavra sortilégio também tem o significado vinculado a feitiçaria, ou seja, a ação do feiticeiro que pratica magia ou bruxaria. Trocando isso em miúdos, ou poder da magia.

Dependendo do contexto em que a palavra sortilégio é empregada, ela também pode agregar sentido de conspiração, maquinação ou combinação.

Etimologicamente falando, a palavra sortilégio é um substantivo masculino que se origina do latim, sortilegium, que significa “adivinhação” e “ler a sorte”.

Sortilégio na história

A palavra sortilégio foi usada incisivamente ao longo da história, sobretudo na época da Inquisição, mais precisamente na Idade Média. A acusação recaia sobre as mulheres, que eram casadas e condenadas a fogueira.

Essa caça ocorria justamente por empregarem a determinadas mulheres a acusação de bruxaria. Na época, sortilégio tinha o significado vinculado a feitiço, bruxaria, encantamentos e magia.

Todos esses atributos eram ligados à imagem demoníaca ou a invocação de espíritos malignos. Na maior parte dos casos, o que estava por trás de tudo isso era algum objetivo pessoal.

Sortilégio nos dias de hoje

Hoje em dia, pela própria mudança na forma de se comunicar no dia a dia – sobretudo quando levado em consideração a forma coloquial – a palavra ou expressão ‘sortilégios’ é usada com menos frequência.

Porém, diferente do que aconteceu na Idade Média, a palavra, nem de perto entra nos diálogos com significado de termos ligados a bruxaria, e sim de encantamento e sedução, todos ligados a admiração de algo ou alguém.

Os atributos são ligados à figura feminina, já que ela tem o dom de encantar as pessoas por onde passa. Para que essa explicação fique fácil para ser entendida, preste atenção no exemplo que segue:

– A mulher utilizou de seus sortilégios para dançar com o rapaz na festa.

A novela ‘Sortilégios’

Ainda dentro do que se refere a sortilégios, muita gente vai lembrar que, entre os anos de 2014 e 2015, a palavra foi pronunciada com certa frequência, sobretudo entre as pessoas que acompanhavam as telenovelas mexicanas exibidas pelo SBT.

A produção foi exibida no México no ano de 2009. Ao todo, a trama teve 90 capítulos. Ela foi protagonizada por Jacqueline Bracamontes e William Levy.

Sortilegio, como era intitulada no México, foi produzida por Carla Estrada para a Televisa e exibida pelo Canal de las Estrellas. A produção é um remake das novelas Tú o nadie e Acapulco, cuerpo y alma, produzidas em 1985 e 1995, respectivamente.

A trama conta uma história de enganos e traições, onde o ódio que Bruno sente por seu meio-irmão Alessandro, o leva a planejar sua morte só para se tornar herdeiro de sua fortuna.

Sortilégios na prática

Incidente ou não nos diálogos, o importante é você ter pleno conhecimento a respeito do significado das palavras. Isso só é possível a partir de pesquisa e atenção a leitura. Esses são os principais requisitos para um vocabulário rico.

Só com essa rápida leitura muitas dúvidas foram solucionadas. Agora, por mais que você ouça falar em sortilégios, a depender do contexto no qual a palavra esteja inserida, a dúvida não será mais uma constante.